Fábrica

Souselas

Centro de Produção de Souselas

O Centro de Produção de Souselas situa-se a cerca de 15 km da cidade de Coimbra.

Tem como atividade principal a produção e expedição de cimento e é uma das 3 unidades que a Cimpor opera em Portugal.

A localização privilegiada, proximidade a portos marítimos e bons acessos por rodovia e ferrovia ajudaram a fábrica de Souselas a construir bases sólidas para o desenvolvimento económico e social da região.



Produtos

Os 7 tipos de cimentos atualmente produzidos no Centro de Produção de Souselas são os seguintes:

  • Cimento Portland EN 197-1 – CEM I 42,5 R;
  • Cimento Portland de calcário EN 197-1 – CEM II/A-L 42,5 R;
  • Cimento Portland de calcário EN 197-1 – CEM II/B-L 32,5 N;
  • Cimento Portland de cinza volante EN 197-1 – CEM II/B-V 42,5 N;
  • Cimento Portland de cinza volante EN 197-1 – CEM II/A-V 42,5 R;
  • Cimento Pozolânico EN 197-1 – CEM IV/A (V) 42,5 R-SR;
  •  Cimento Portland composto CEM II/B-M 42,5R

História

A aptidão das serras de Alhastro e S. Valentim para fins comerciais e industriais, o fabrico de cal e o desenvolvimento ferroviário foram fatores decisivos para que Souselas se afirmasse a partir de finais do século XIX, como área privilegiada para o desenvolvimento industrial.

Uma das primeiras informações sobre uma fábrica na zona de Souselas data de 1909. A 28 de Janeiro, a Comissão distrital aprovava o estabelecimento de uma fábrica para serração de madeira na estrada Fornos-Souselas, a instalar pela Companhia Portugueza de Phosphoros.

Na década de 30 deu-se o grande impulso industrial, de que foi primeira manifestação a instalação da Companhia das fábricas de cerâmica Lusitânia. A esta empresa, outras se seguiram, sendo de destacar a Césol (Cerâmica de Souselas, Lda) que ali se fixou em 1948.
Nos anos 70, novo surto industrial agitaria a freguesia, com a instalação de uma fábrica de cimento.

A montagem da fábrica de Souselas foi autorizada em março de 1971, constituindo-se a CINORTE – Companhia de Cimentos do Norte, S.A.R.L, em outubro do mesmo ano


A escolha do local para a instalação desta nova fábrica obedeceu a dois pressupostos: aproximá-la tanto quanto possível do mercado do norte do país, mas situando-a à beira de Jazidas de matérias calcárias e argilosas de composição adequada ao fabrico de cimento.

O interesse da indústria cimenteira pela área de Souselas–Brasfemes, resultou da qualidade da pedra que a fábrica da cal começara a extrair, em 1969, no sopé da serra do Alhastro. Esta zona transformar-se-ia na pedreira em exploração da CIMPOR, da qual se têm extraído calcários e calcários margosos, com vista à produção de cimento.

A Serra do Alhastro, na freguesia de Souselas, a cerca de 10Km a norte de Coimbra, além de garantir a existência de elevadas reservas de calcários, assegurava facilidades de transporte por via ferroviária, sendo apenas necessário construir um ramal ferroviário com 3 Km de extensão para ligar a fábrica à linha do Norte, e por via rodoviária dada a sua proximidade da auto estrada Lisboa/Porto.

Assim, em 1974, o Centro de Produção de Souselas iniciou a sua laboração com a 1ª linha fabril, com uma capacidade de 500 000 toneladas de produção anual de clínquer.

Em 1977, a CIMPOR apresentou ao Governo um Plano de Investimentos onde equacionou as perspetivas de evolução do consumo interno.

Ponderadas as hipóteses quanto à escolha da fábrica mais indicada, a CIMPOR propôs a instalação de uma nova linha de produção na Fábrica de Souselas, elevando desta forma a capacidade anual para cerca de um milhão de toneladas de clínquer.

.

Mais tarde e na sequência do plano de expansão da empresa, a 3ª linha deste centro de produção arrancou em maio de 1982, com uma capacidade anual de um 1,1 milhões de toneladas de clínquer, tendo vindo a sofrer um aumento de capacidade em 2001, elevando a sua capacidade anual para 1,4 milhões de toneladas de clínquer.

Em suma, a capacidade anual da fábrica de Souselas passou a ser de 2,4 milhões de toneladas de clínquer e 3,5 milhões de toneladas de cimento respetivamente.

Linha do Tempo