Fábrica

Loulé

Centro de Produção de Loulé

O Centro de Produção de Loulé (CPL) localiza-se no Cerro da Cabeça Alta a 7 Km da cidade de Loulé e é uma das 3 fábricas de cimento que a CIMPOR opera em Portugal.




Vista panorâmica do Centro de Produção de Loulé

 

Capacidade instalada:

Atualmente, o Centro de Produção de Loulé tem uma capacidade instalada de 635 mil toneladas de clínquer e 850 mil toneladas/ano de cimento.

 

Produtos:

O Centro de Produção de Loulé tem como atividade principal o fabrico e expedição dos seguintes tipos de cimento, obtidos a partir da moagem de diferentes proporções de clínquer, gesso (regulador de presa) e outros constituintes. Todos os produtos estão certificados de acordo com a Norma NP EN 197:

  • CEM I 52,5 R
  • CEM I 52,5 N
  • CEM II/A-L 42,5 R
  • CEM II/B-L 32,5 N

 

História 

O crescimento da construção civil e o previsível aumento do consumo de cimento no final da década de 60 fizeram com que o Estado atribuísse duas novas licenças para a instalação de cimenteiras em território nacional. Surgiu assim a oportunidade para que a CISUL – Companhia Industrial de Cimento do Sul liderada pelo Eng.º Mário Gaspar e contando com o apoio do Banco Fonsecas e Burnay, lançasse a primeira pedra para a implantação da Fábrica de Loulé no início da década de 70.

Panorâmica  Loulé - década de 70

A escolha da tecnologia recaiu na Creusot Loire Entreprises – CLE, detentores da mais avançada tecnologia disponível à data e a instalação foi concebida como uma linha de produção de clínquer com uma moagem de cimento integrada.

A produção industrial iniciou-se em 14 de Setembro de 1973, com uma capacidade instalada de 350.000t/ano de clínquer.

Na sequência das alterações políticas de 1974, a CISUL foi nacionalizada a 9 de maio de 1975, tendo sido integrada na CIMPOR - Cimentos de Portugal, E.P. aquando da sua constituição a 31 de março de 1976.

Em 1982, aumento da capacidade instalada com a instalação de um pré-calcinador e do segundo moinho de cru. Além de contribuir para uma maior estabilidade da marcha do forno, esta intervenção permitiu ainda, devido à interrupção da produção imposta pela realização das obras, uma profunda intervenção de manutenção após dez anos de produção industrial.
Prosseguindo na senda da otimização do processo, em 1983, foi instalado mais um moinho de cimento. Estas sucessivas alterações no processo concorreram para um aumento da capacidade nominal de 1100tpd para 1950tpd.

Em 2005 o CPL registou-se no Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria (EMAS) comprometendo-se de forma voluntária com a melhoria continuado seu desempenho ambiental, reflexo do compromisso assumido pela CIMPOR em promover o desenvolvimento sustentável.

 

Linha do Tempo