Notícias

10_CRP

Destaque

Cimpor patrocina o 10º Congresso Rodoferroviário Português

A CIMPOR vai patrocinar o 10º Congresso Rodoferroviário Português, que se vai realizar em Lisboa, no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, de 5 a 7 de julho de 2022.

Subordinado ao tema “A digitalização e a transformação do sistema de transporte”, este evento visa dar destaque a uma ferramenta essencial para o desenvolvimento de um sistema de transportes inteligente. A agenda de trabalhos é constituída por vários temas relacionados com a circulação rodo e ferroviária.

Promovida pelo Centro Rodoferroviário Português, esta edição do Congresso tem como país convidado Angola, bem como a presença de delegados vindos de outros países da CPLP. No seu todo, estima-se a participação de 350 pessoas.

A CIMPOR pretende, desta forma, dar o seu contributo na procura de soluções para um desenvolvimento económico mais eficiente no setor dos transportes. Simultaneamente, este encontro irá proporcionar uma troca de conhecimentos e de experiências, conduzindo ao estabelecimento de sinergias entre todos os participantes.


Clique aqui para aceder a mais informações.

Ver mais

Categorias
Comunicados Destaque Encomendas online Eventos Prémios CIMPOR Projetos Soluções Sustentabilidade
Argamassas Industriais, a Solução Inteligente

Soluções


Argamassas Industriais, a Solução Inteligente

A gama de argamassas CIMPOR é a solução inteligente que abrange um extenso leque de aplicações – reboco, alvenaria e pavimentos – e que, além da garantia da qualidade da marca CIMPOR, tem dado provas nos inúmeros projetos que já contaram com a sua utilização.

Apesar de serem dos elementos de construção mais comuns, as argamassas são também dos mais desvalorizados. Esta desvalorização é observável a muitos níveis do processo de construção, desde a fase de projeto até à execução no terreno e materializa-se de muitas formas.

Logo ao nível de projeto, é habitual encontrar uma indicação das argamassas a utilizar simplista, baseada ainda em traços e com pouca preocupação com a finalidade específica destas, em cada fase da obra. De facto, mesmo nos casos em que a prescrição defina traços distintos para as principais finalidades das argamassas, a verdade é que muitas destas não identificam o tipo de cimento nem o tipo de areia. A acrescentar aos pontos mencionados anteriormente, não existe uma especificação, regulamentação ou até mesmo orientação que possibilite justificar determinado traço face às características mensuráveis de desempenho que devem ser consideradas para cada tipo de utilização de argamassas.

Já na fase de execução propriamente dita, ou seja, no estaleiro de obra, a seleção, preservação e utilização dos materiais destinados às argamassas, e mesmo a sua própria preparação em obra, tendem a ser assuntos de pouco relevo. É comum que todo o processo de preparação das argamassas seja realizado por equipas menos experientes e sem qualquer acompanhamento da sua aplicação em obra.


ADVENTO DAS ARGAMASSAS INDUSTRIAIS

Naturalmente que a rápida evolução no mercado da construção, com início na segunda metade da década de 1990, levou ao aparecimento de novos problemas e situações, para os quais a abordagem tradicional já não tinha a capacidade de dar resposta. Desde logo, a própria explosão da construção levou que se começassem a procurar soluções que permitissem aumentar a eficiência das obras, face à combinação de mais empreitadas e de prazos de realização mais reduzidos.

Foi neste contexto que, em Portugal, as argamassas industriais começaram a ter uma expressão significativa, nomeadamente com o surgimento de soluções a granel, as quais possibilitaram responder a muitas das ineficiências associadas às argamassas em obra. O facto de virem pré-doseadas elimina o consumo de tempo associado à preparação em obra e liberta a mão de obra que se ocupava dessa tarefa para a execução de outras com maior valor associado.

Por outro lado, o seu armazenamento em silo permite que, para uma mesma área, se consigam ter prontas, a utilizar, uma maior quantidade de argamassas comparativamente à solução tradicional. Adicionalmente, o facto de serem produzidas industrialmente, com todas as vantagens ao nível da constância de produto e da precisão dos doseamentos, permitiu que estas pudessem ser aplicadas, não apenas por aplicação manual mas também por projeção mecânica, método de aplicação de argamassas de reboco com elevadíssima produtividade.

 

FOTO LX LIVING | PROMOTOR - REWARD PROPERTIES | EMPREITEIRO GERAL - ALVES RIBEIRO, S.A.

 

A acrescentar a estas vantagens, pode ainda considerar-se a maior facilidade em manter a limpeza do estaleiro (associado à ausência/diminuição dos montes de areia) e, nos casos em que a obra pode utilizar sistemas de transporte de argamassa por via pneumática, uma significativa diminuição da ocupação dos meios de elevação.

Já neste século, assistimos, nos últimos 15 anos, a uma contração na construção, o que levou a que se voltasse a equacionar retomar os métodos tradicionais de produção de argamassas por razões puramente ligadas a custos. No entanto, dois fatores uniram-se para limitar esse retrocesso: o facto de que é sempre difícil retroceder para métodos menos eficientes e as mudanças na natureza das obras.

Este segundo fator é, em grande medida, a principal causa para a expansão das argamassas industriais, pois apesar da diminuição da dimensão média das obras, a sua natureza também se alterou, nomeadamente face ao crescente peso das obras de renovação e restauro em zonas urbanas, bem como dos seus desafios inerentes, que levaram à necessidade de soluções tecnicamente mais exigentes e à economia do espaço de armazenamento em estaleiro.


SOLUÇÕES CIMPOR

Assim, a CIMPOR tem vindo a desenvolver soluções que vão ao encontro das necessidades do mercado, conseguindo, graças à conjugação de desenvolvimento contínuo e experiência de mais de duas décadas, oferecer um conjunto de soluções adaptadas à evolução verificada na construção.

A gama de argamassas CIMPOR abrange um extenso leque de aplicações – reboco, alvenaria, e pavimentos –, que, para além da garantia de qualidade da marca CIMPOR, tem dado provas nos inúmeros projetos que contaram com a sua utilização, destacando-se, a este propósito, o Hospital CUF Tejo, o Villa Baixa e, mais recentemente, o LX Living.
 

516_arouca

Projetos


516 Arouca a maior ponte pedonal suspensa do mundo

Suspensa no céu, em pleno Arouca Geopark, território da UNESCO, nasce a 516 Arouca, ligando a margem de Canelas à de Alvarenga.

A 516 Arouca, é constituída por gradis e cabos de aço, com 516 metros de vão, 1,20 metros de largura e 175 metros de altura acima do rio Paiva. 

O tabuleiro em grelha metálica suportado por dezenas de cabos de aço sustenta-se em dois pilares de betão. Fornecida pela Betão Liz - Esmoriz, empresa do Grupo CIMPOR, esta obra teve como principal betão utilizado o C30/37.S4.XC4(P).D22.Cl0,4 (CPF). A principal dificuldade verificada nos fornecimentos foi o elevado tempo de transporte até ao local, que podia atingir as 2 horas, o que obrigou a utilizar adjuvantes especiais para manter o betão trabalhável durante um período de tempo mais alargado.

A travessia da ponte 516 Arouca é uma experiência incrível, mas há muito mais para usufruir. 

Seja do alto da ponte, ou nos percursos a pé que levam até às suas entradas, há uma natureza envolvente única e, em grande parte, em estado bruto, que prende o olhar.

Nesta área classificada como Rede Natura 2000, os visitantes mais atentos podem observar diversas e magníficas espécies, da grande águia-cobreira à pequena borboleta-do-medronheiro, neste que é também o habitat natural de corços, coelhos-bravos, esquilos-vermelhos, lontras, lobos-ibéricos, águias-d’asa-redonda e não só. 

São centenas de animais, alguns deles em risco de extinção, que encontram aqui um refúgio perfeito. Uma região onde também a flora é vasta e rica ao longo de todas as estações do ano.

Encontra aqui mais informações e vídeo desta icónica obra do Município de Arouca.

Vale_de_cambra

Projetos


Edifício pré-fabricado em Vale de Cambra é “Obra do ano 2021” pelo Archdaily

O projeto português de habitação coletiva pré-fabricado, situado em Vale de Cambra, distrito de Aveiro, venceu o 2.º Prémio de Melhor Obra do mundo lusófono promovido pelo ArchDaily, um dos maiores portais de arquitetura do mundo. 

Desenhado pelo gabinete de arquitetura português Summary, este peculiar projeto foi concebido com recurso a sistemas construtivos pré-fabricados e modulares que incorpora dois pisos: o rés-do-chão, destinado a áreas de serviço multifuncionais com acesso direto à via pública, que pode ser transformado num open space e o piso superior destinado a 6 unidades de habitação com 45m2.

A construção deste imóvel esteve a cargo da Farcimar, uma empresa com sede em Arouca, criada em 1989, reconhecida pela qualidade, inovação e especialização nas áreas dos pré-fabricados e execução de obras. 

Neste edifício de 998m2 que se apresenta isento de pinturas ou revestimentos, quer no interior ou exterior, o betão armado pré-fabricado é o produto predominante, sendo manifestamente visível em toda a sua dimensão. Para a produção dos elementos pré-fabricados foi utilizado o Cimento CEM II/A-L 42,5 R, fornecido pela CIMPOR.

Focada essencialmente na produção e comercialização de produtos de qualidade reconhecida e certificada, a CIMPOR, líder nacional no sector cimenteiro, orgulha-se de ter contribuído para esta obra arquitetónica portuguesa que prima pela inovação, qualidade e versatilidade.

Clique aqui para aceder à Ficha Técnica.

 

premios_construir_2021

Prémios CIMPOR


Cimpor marca presença na Cerimónia de entrega dos Prémios Construir 2021

No passado dia 13 de dezembro teve lugar a cerimónia da 14ª edição dos Prémios Construir no Cineteatro Capitólio, Parque Mayer, em Lisboa.

A iniciativa, promovida pelo Jornal Construir, e que a CIMPOR patrocina, visa distinguir o esforço e o talento de empresas, instituições e profissionais dos diversos setores da Construção, nomeadamente nas áreas de Engenharia, Arquitetura, Construção e Imobiliário. 

Os prémios, resultantes de votação realizada pelos leitores do Jornal Construir, foram entregues às empresas e projetos que mais se destacaram em 2021, pela inovação, ousadia, excelência e mérito.

Parabéns a todos os Nomeados, Vencedores e ao Jornal Construir pela iniciativa.

Clicar p.f. nos Vencedores e Nomeados para aceder a informação integral dos “Prémios Construir 2021”. 

Efetue as suas encomendas no Portal Cliente ou e-mail

Encomendas Online


Efetue as suas encomendas no Portal Cliente ou e-mail

Decorrente do surto pandémico da COVID-19 e procurando conter a propagação do vírus e assegurar a saúde, bem-estar e segurança de todos os nossos Clientes, Fornecedores e Colaboradores, solicitamos, sempre que possível, recorra ao Portal de Cliente… 

Para ler o comunicado na íntegra por favor clique aqui

Catálogo gama cimpor

Encomendas online


Catálogo - Cimentos e Argamassas

Clique aqui para aceder!

SELO

Sustentabilidade


CIMPOR adere ao Portugal Sou Eu

A CIMPOR aderiu recentemente ao programa Portugal Sou Eu, uma iniciativa do Ministério da Economia, que visa a dinamização e valorização da Economia Nacional identificando produtos e serviços de origem portuguesa.

Mobilizar e envolver ativamente o País, incentivando a produção nacional e fomentando o consumo de produtos e serviços portugueses, é o desígnio da CIMPOR para um crescimento económico sustentável.

Fortalecer o País é o nosso compromisso

12

Soluções


Cimentos-Cola à Medida de Todas as Necessidades

A CIMPOR ORGULHA-SE DE OFERECER AO MERCADO UMA GAMA DE CIMENTOS-COLA EM QUE SE ENCONTRAM CLARAMENTE SEPARADOS OS PRODUTOS MAIS ADEQUADOS A APLICAÇÃO EM EXTERIORES – A GAMA CIMFLEX – DOS PRODUTOS CONVENCIONAIS ADEQUADOS APENAS PARA COLAGEM EM INTERIORES – O CIMBASIC E O CIMPRO.

UM DOS SISTEMAS de revestimento de fachadas mais utilizado no nosso país é o revestimento com cerâmicos e materiais pétreos. A preferência por este tipo de revestimento advém principalmente da sua versatilidade técnica e estética, bem como da sua durabilidade e resistência face aos fatores climáticos, sem esquecer, naturalmente, a sua tradição histórica.

De facto, trata-se de um sistema que, quando bem utilizado, contribui positivamente para conferir uma maior durabilidade e resistência aos edifícios, sem prescindir de uma estética agradável e bem enquadrada na nossa tradição. Por outro lado, o facto de os materiais utilizados neste tipo de sistema serem, na sua maioria, produzidos em Portugal também deve ser salientado, tanto por permitir uma valorização da indústria nacional, como pelos ganhos que acarreta em termos de sustentabilidade, nomeadamente no que concerne à potencial diminuição da pegada de carbono, ao possibilitar uma menor distância de transporte destes materiais.

No entanto, verifica-se que, com alguma frequência, ao longo do tempo de vida do edifício, tendem a surgir problemas e anomalias neste tipo de sistemas de revestimento. A este nível, é de salientar o destacamento das peças utilizadas, que, em casos extremos, para além de todos os problemas inerentes ao próprio edifício que pode despoletar, pode colocar também em causa a segurança das pessoas. Estas anomalias, por vezes, levam a uma perda de credibilidade dos sistemas de revestimento cerâmicos e pétreos. Todavia, frequentemente, são resultantes de fatores perfeitamente evitáveis, sendo que um dos principais problemas que surge a este nível se prende com a seleção de materiais inadequados para a fixação das peças.

No nosso país, na esmagadora maioria dos casos, a fixação das peças cerâmicas ou pétreas é realizada com adesivos de base cimentícia, comummente denominados por cimento-cola. Estes adesivos já são, desde há várias décadas, produzidos industrialmente, sendo que, ao contrário do que se passa com outros materiais de construção, a utilização de soluções feitas em obra, sem qualquer controlo, é vestigial. No entanto, se é verdade que os cimentos-cola utilizados são fruto de processos industriais devidamente controlados, e, tendencialmente, já são bem aplicados, existe ainda um défice no cuidado na seleção do adesivo específico para as peças que se pretende colar.

Segundo estudos realizados, ao longo da última década, a vasta maioria dos cimentos-cola vendidos no nosso país encaixa-se nas gamas de menor performance, usualmente reservadas para a colagem de peças de pequenas dimensões, porosas, exclusivamente em interiores, logo totalmente inadequadas à utilização em exteriores. Esses mesmos estudos também revelam que, por contraste, as vendas de peças cerâmicas, na sua maioria, são de materiais de baixa absorção, muitas vezes destinados a fachadas ou pavimentos exteriores. Estes dois dados levam a uma conclusão alarmante: frequentemente, os revestimentos cerâmicos e pétreos dos nossos edifícios são colados, recorrendo a adesivos que não são aptos a esse fim.

Por outro lado, e já fruto do esforço contínuo das associações ligadas ao sector, começam, ocasionalmente, a ocorrer casos, por parte de alguns atores do mercado mais sensibilizados para as questões ligadas à durabilidade dos sistemas construtivos, de prescrição, mesmo em ambientes interiores, de cimentos-cola de elevado desempenho (gama CIMFLEX 40, 50 e 60), mesmo quando as peças cerâmicas a colar se prestariam à utilização de adesivos com prestações inferiores. Embora esta tendência não prejudique em nada nem a qualidade nem a durabilidade do sistema colado, pode implicar um custo acrescido sem que se obtenha quaisquer mais-valia.

 

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO EM EXTERIORES  E INTERIORES

A CIMPOR, como parte da sua contínua busca pela melhoria e pela excelência, e, tendo como objetivo ajudar os seus clientes a evitar este género de problemas, os quais tendem a surgir ou por desconhecimento ou por conhecimento insuficiente, oferece ao mercado uma gama de cimentos-cola em que se encontram claramente separados os produtos mais adequados a aplicação em exteriores – a gama CIMFLEX – dos produtos convencionais adequados apenas para colagem em interiores – o CIMBASIC e o CIMPRO.

A gama CIMFLEX, constituída exclusivamente por cimentos-cola flexíveis, é apresentada ao mercado em três referências distintas, que pretendem dar resposta aos vários graus de exigência técnica inerentes às colagens de cerâmicos e pedras naturais em exteriores, nomeadamente, e por ordem crescente de prestações: CIMFLEX 40, CIMFLEX 50 e CIMFLEX 60.

Por outro lado, a gama mais convencional, destinada às colagens em interiores, divide-se em duas referências: o CIMBASIC, o produto mais económico, mas que apenas se destina à colagem de azulejos de cerâmica porosa, tradicional, de pequenas dimensões, e o CIMPRO, destinado à colagem da generalidade dos cerâmicos em ambientes interiores, em que não existam exigências técnicas especiais. Naturalmente, e tendo em vista o sistema de colagem de cerâmica como um todo, a CIMPOR também disponibiliza uma gama de 16 cores de argamassa para preenchimento de juntas, a TAPAJUNTAS FLEXÍVEL, apta para juntas de 1 a 15 mm, quer em interiores, quer em exteriores. Como qualquer solução CIMPOR, os cimentos-cola são produzidos nas nossas fábricas, sob um rigoroso controlo de qualidade.


 

MARCA CIMPOR

Prémios CIMPOR


Marca CIMPOR - Melhor índice de Relevância e Reputação Emocional em 2020

A CIMPOR foi a marca que se posicionou em primeiro lugar no Setor Construção e Engenharia em 2020, no que respeita aos indicadores de Relevância e Reputação Emocional, segundo o Estudo de Reputação das Marcas em Portugal – RepScore 2021 – da consultora OnStrategy

Este estudo anual corre de forma contínua e em conformidade com as normas ISO20671 (avaliação de estratégia e força) e ISO10668 (avaliação financeira) cobrindo mais de 40 setores de atividade e mais de 2000 marcas, auditando a Relevância, o Posicionamento e a Reputação destas junto dos cidadãos portugueses, estando em 2020 cobertos os períodos pré e de pandemia. 

A CIMPOR foi a marca que se destacou na liderança de notoriedade, admiração, relevância, confiança, preferência e recomendação, tendo sido também a marca que registou o maior crescimento destes atributos no Setor Construção e Engenharia.

CIMPOR – uma marca de confiança

Comunicado (covid-19)

Comunicados


Comunicado (covid-19)

Nestes tempos de incerteza e de invulgar gravidade na história do nosso país provocada pelo COVID-19, é fundamental garantir não só a saúde de todos mas a continuidade das operações no setor da construção, que é de importância estratégica para o nosso país…

Para ler o comunicado na íntegra por favor clique aqui.