Solo-cimento no IC16

Reabilitação

A entrada em serviço da A16 a 30 de setembro de 2009, infraestrutura integrada na Concessão Rodoviária da Grande Lisboa, permitiu o descongestionamento do tráfego do IC19 e da A5 ao desenvolver uma nova circular exterior à área metropolitana de Lisboa, ligando a A9 – CREL à A5, favorecendo uma população estimada em 640 mil habitantes só nos concelhos de Sintra e Cascais.

A empreitada de construção foi adjudicada ao consórcio entre o Grupo MonteAdriano, Rosas Construtores, S.A. e a Empresa de Construções Amândio Carvalho, S.A., liderado pelo Grupo MonteAdriano.

O Grupo MonteAdriano nasce em janeiro de 2005 após a fusão da Monte & Monte com a empresa Sociedade de Empreitadas  Adriano, tornando-se um dos grupos nacionais com maior expressão na indústria da construção civil em Portugal, tendo inclusivamente diversificado as suas áreas de negócios e internacionalizado a sua posição no mercado com a criação das sucursais da Roménia, Angola e Cabo Verde.
 


Na execução da empreitada de construção da A16, a Monte Adriano, no âmbito da atividade de I&D desenvolvida internamente pelo grupo, através da Montinovação, apresentou à Lusolisboa, Auto Estradas de Lisboa, S.A. uma solução variante para o pavimento rodoviário em questão que consistia na execução de solo cimento com 23cm de espessura seguida de uma camada de tout-venant com 12cm, em alternativa aos 40cm de tout-venant preconizados pelo projeto de execução, por ser uma solução construtiva mais rápida e menos dispendiosa, uma vez que permite a incorporação do solo natural do leito do pavimento como constituinte de uma camada estrutural. É ainda possível com este método diminuir o volume de escavação, limitar a utilização de solos de empréstimo de qualidade superior, consequente diminuição dos volumes transportados a vazadouro com os correspondentes benefícios ambientais e económicos que daí advêm.
 


O solo cimento é uma mistura homogénea de solo, cimento e água em quantidades estabelecidas. Nesta obra o processo iniciou-se com a escavação e britagem do solo em instalações próximas da frente de trabalho, seguida da sua deposição em camadas. Espalhou-se o cimento sobre a camada a tratar, tendo-se sucedido a fresagem que promoveu a mistura entre o solo e o cimento. Adicionou-se água por aspersão, na quantidade correspondente ao teor de humidade ótimo, permitindo a hidratação da mistura, que após compactação pesada, endurece e adquire a resistência que lhe permite ser utilizada como fundação de pavimentos rodoviários, com a durabilidade desejável para obras desta natureza.
 
O interesse da solução solo cimento na execução da A16 foi confirmado através da realização de um estudo laboratorial que também permitiu definir o teor de cimento adequado para fazer face às exigências estipuladas. Com base no estudo desenvolvido pela MonteAdriano, definiu-se um teor de cimento entre os 3,0% com solos calcários e os 3,5% com solos margosos, recorrendo ao cimento CEM II/A-L 42,5R da Cimpor. 


 


CEM II/A-L 42,5 R

Localização

Grande Lisboa


4.900 t.

Consumo de Cimento CEM II/A-L 42,5R


157.000 m3

Volume de solos reaproveitados


345.000 t.

Diferença de volume de Tout-Venant utilizado


Outras obras

Reabilitação

Reconstrução do molhe da Praia da Vitória

LER MAIS

Construção Nova

Hospital CUF Tejo

LER MAIS

Reabilitação

Aliados 107

LER MAIS
Santander

Construção Nova

Banco Santander Edifício-Sede

LER MAIS